Orientações Gerais ao Paciente

O IGGPE oferece serviços completos para a preservação da saúde dos nossos pacientes. Conheça alguns cuidados simples que podemos, nós mesmos, arrumarmos no nosso dia-a-dia.

  • Quando procurar um geriatra?
  • O que trazer na primeira consulta?
  • Estou com Alzheimer. E agora?
  • Evitando quedas
  • Dicas de segurança dentro de casa
  • Banheiro
  • Quarto
  • Mobiliário e Decoração
  • Cuidados pessoais
  • Testamento vital: eu escolho como vou viver meus últimos dias de vida
  • Cuidados Paliativos
  • Manual do Cuidador da Pessoa Idosa
  • Estatuto do Idoso
  • Orientações aos cuidados de pacientes com demência
  • Função sexual e envelhecimento normal
Quando procurar um geriatra?

Muitas das doenças que se desenvolvem com o passar dos anos podem ser evitadas ou ter seus efeitos minimizados. Nesse contexto, a velha máxima que diz que ‘prevenir é melhor que remediar’ nunca valeu tanto! Portanto, a orientação é que as pessoas comecem a se preocupar com a saúde e a qualidade do seu envelhecimento desde cedo. Recomenda-se que a pessoa procure um Médico Geriatra de confiança após os 60 anos.

O Médico Geriatra estuda as particularidades da saúde do idoso e o auxilia no envelhecimento saudável, com foco no diagnóstico precoce e na prevenção de doenças. Para isso, investiga o histórico do paciente, avalia os riscos de desenvolvimento de doenças hereditárias, dá orientações sobre atividade física, hábitos alimentares e interações medicamentosas, muito frequentes nos idosos.

O que trazer na primeira consulta?

Na primeira consulta com o geriatra é fundamental:

  • Estar acompanhado de um familiar ou responsável;
  • Entregar uma relação de todos os medicamentos em uso;
  • Levar todos os exames laboratoriais e de imagem realizados nos últimos dez anos.
Estou com Alzheimer. E agora?

A doença ou Mal de Alzheimer é um comprometimento degenerativo que atinge o Sistema Nervoso Central e provoca a perda da memória, da capacidade de orientação no tempo e/ou no espaço e da capacidade de planejamento.

O problema tem início com alterações na memória e avança progressivamente até a dependência total do paciente. Os portadores têm dificuldade de se comunicar, de raciocinar e de aprender. O diagnóstico da doença não é fácil, por isso, a grande importância de procurar um geriatra o mais rapidamente possível para iniciar o tratamento ainda na fase inicial da doença.

O atendimento ao paciente com a Doença de Alzheimer (DA) requer atenção multi e interprofissional, com profissionais especializados em Geriatria e Gerontologia. A doença não tem cura e o tratamento tem como principal objetivo retardar a progressão dos sintomas e o avanço da doença. Além disso, é muito importante a orientação e o acompanhamento permanente de familiares e cuidadores.

A idade permanece como o fator de risco mais importante para a ocorrência de demências, em particular a doença de Alzheimer (DA). Em um estudo com base na comunidade, por exemplo, a incidência anual estimada de DA foi de 0,6 % para pessoas com idades entre 65 a 69 anos; de 1,0 % para aqueles com 70 a 74 anos; de 2,0 % para os 75 a 79 anos; de 3,3 % para os 80 a 84 anos, e de 8,4 % para os 85 anos ou mais, sendo que estudos de todo o mundo demonstram que a incidência de demência continua a aumentar com a idade após 85 anos e que a DA aumentou exponencialmente com o avanço da idade dos pacientes estudados, até seus 90 anos.

O aumento cumulativa das taxas de incidência da DA tem como resultado a prevalência da doença em torno de 50% ou mais em pacientes com mais de 90 anos de idade.

Evitando quedas

As quedas sao igualmente comuns entre homens e mulheres, mas elas estão mais propensas a lesões. Em 2001, a maioria das lesões não fatais em adultos com 65 anos ou mais tratadas nos Departamentos de Emergência nos Estados Unidos foram causadas ​​por quedas.

É importante salientar que a incidência de quedas aumenta com a idade e varia de acordo com o estado de saúde e o tipo de vida do paciente. O que se sabe é que algo entre 5% e 10% das quedas de idosos resultam em fratura, traumatismo craniano ou grandes ferimentos.

Entre os idosos com idade superior a 65 anos que residem com suas famílias, a incidência de quedas por ano varia de 30% e 40%. Esse número aumenta para 80% para os idosos com 80 anos ou mais. No caso de idosos abrigados, cerca de 50% caem todos os anos.

As quedas nos idosos representaram 62% das lesões não fatais e cerca de 5% delas em idosos levam à hospitalização. Além disso, quase 60% das pessoas com histórico de uma queda no ano anterior, terá uma queda subseqüente.

Em geral, as quedas estão relacionadas ao ambiente em que o idoso vive e/ou à sua condição de saúde. Com o avançar da idade, o risco de tropeços e quedas aumenta trazendo, como consequências, contusões, torções e fraturas, que podem levar à perda da mobilidade, da independência e, até mesmo, à morte. Evitar a queda é de fundamental importância para prevenir esses problemas. Os locais identificados como de maior risco para a ocorrência de tropeços e quedas são: banheiro, quarto, cozinha, escadas e calçadas.

Dicas de segurança dentro de casa
  • Os corredores devem ser sempre iluminados ou possuir sensores de presença.
  • Evite usar materiais lisos e escorregadios no piso, como ceras de polimento.
  • Evite degraus ou desníveis no piso de toda a casa.
  • Quando possível, substitua degraus por rampas;
  • Se a residência tiver escadas, deve haver corrimãos dos dois lados, pintados com cores diferentes das usadas nas paredes.
  • Cole fitas em cores vibrantes (ou refletivas) e de material antiderrapante na beirada dos degraus.
  • As maçanetas das portas devem ter mecanismo de alavanca, que facilitam a pega, ao invés de aberturas arredondas e giratórias, que podem deslizar.
  • As cores das portas e das paredes devem contrastar, para que o idoso possa enxergá-las mais nitidamente.

Fonte: Promoção do Envelhecimento Saudável, Cartilha do Profissional de Saúde. Grupo Hospitalar Conceição. Porto Alegre (RS), 2009 | Leia mais: http://goo.gl/Q9fnM

Banheiro
  • O chão deve ter piso antiderrapante em toda a sua superfície. Caso não seja possível substituir o revestimento, deve-se optar por tapetes emborrachados antiderrapantes com ventosas, fixadas no chão, dentro e fora do box.
  • A pia deve ser resistente e estar bem fixada, já que os idosos costumam apoiar-se nela.
  • A base do sanitário deve ser elevada em 10 cm do chão e, ainda, ter barras sólidas de apoio em ambos os lados.
  • Instalar barras de apoio nas paredes livres e dentro do box do banheiro.
  • Instalar assento de banho dobrável na parede do box.
Quarto
  • Posicione a cama perto do interruptor de luz ou coloque um abajur ou quebra-luz próximo à cabeceira.
  • Opte por uma iluminação suave, pois o idoso demora mais a adaptar-se quando há mudanças bruscas entre claro e escuro.
  • Ao acordar, levante-se devagar. Sente-se por alguns minutos na cama e, só então, fique de pé. Se precisar, peça ajuda.
  • Se estiver sentado, evite levantar-se ou mudar de posição rapidamente.
Mobiliário e Decoração
  • Mantenha as luzes dos corredores acesas.
  • Evite colocar móveis nos caminhos mais utilizados dentro da casa e nos corredores.
  • Evite objetos que representem risco ou obstáculo, como vasos, tapetes soltos, fios e esculturas.
  • Elimine os tapetes de tecido em todos os cômodos da casa. Prefira tapetes emborrachados antiderrapantes em áreas molhadas como banheiros, área de serviço e cozinha.
  • A TV e o aparelho de som devem ter controle remoto.
  • Opte por poltronas altas, bem estruturadas e não muito fofas, pois os braços do móvel servem como apoio ao sentar e levantar.
  • Os objetos mais utilizados no dia a dia devem ter fácil acesso nos armários, assim como o forno elétrico ou de microondas.
  • Evite guardar objetos de uso frequente em locais muito baixos, que exigem que o idoso se abaixe, ou muito altos, necessitando subir em escadas ou bancos.
  • Os armários não devem ser muito altos e devem ter portas e gavetas de fácil abertura.
  • As estantes devem ser fixadas no chão e presas à parede, para que possam servir como ponto de apoio.
  • Entre os utensílios domésticos, recomenda-se ter um carrinho para levar pratos, talheres e a comida à mesa.
Cuidados pessoais
  • Visite o oculista e faça revisões dos olhos e das lentes dos óculos periodicamente.
  • Opte por calçados firmes e com sola de borracha.
  • Se usar bengala, prefira as que têm a ponta emborrachada.
  • Evite andar sobre pisos molhados, úmidos ou encerados.
  • Não suba em bancos ou cadeiras.
Testamento vital: eu escolho como vou viver meus últimos dias de vida

O chamado Testamento Vital, também conhecido como Diretiva Antecipada de Vontade, é um documento em que os pacientes declaram quais são os tratamentos médicos a que desejam ser submetidos no final de suas vidas, ou quando estiverem incapacitados de expressar livre e autonomamente suas vontades.

Ao contrário dos testamentos em geral (que são atos jurídicos destinados à produção de efeitos após a morte), o Testamento Vital é dirigido à eficácia jurídica antes da morte do interessado. A medida foi estabelecida por meio da Resolução 1.995/2012, do Conselho Federal de Medicina (CFM).

O Testamento Vital surgiu com a necessidade de se regulamentar a postura do médico e a autonomia dos pacientes portadores de doenças em estado terminal, diante da possibilidade de que sejam adotadas medidas contrárias à vontade do doente.

Assim, todas as pessoas lúcidas, absolutamente capazes e em pleno gozo de suas faculdades mentais, maiores de 18 anos ou emancipadas – com doença ativa ou não – poderão comunicar diretamente ao seu médico, registrar uma declaração em cartório ou nomear um representante legal para expressar a sua vontade e/ou desejos.

A possibilidade de elaborar esse documento é uma garantia para os pacientes de que sua vontade será sempre respeitada. Até mesmo quando, eventualmente, eles não mais puderem expressá-la.

Para saber mais, acesse:

Manual do Cuidador da Pessoa Idosa

cuidados com a pessoa idosa podem exigir conhecimentos e habilidades especiais. Converse com seu Geriatra . Disponibilizamos aqui um manual que trata dos temas mais diversos que envolvem esta grande missão. Boa leitura e conte sempre conosco!

Manual do cuidadora da pessoa idosa

Estatuto do Idoso

Aqui vocë pode consultar o que diz a Lei que sancionou e regulamentou o Estatuto do Idoso.

Estatuto do Idoso

Orientações aos cuidados de pacientes com demência

Compreender um pouco sobre os sintomas comportamentais e psicológicos do paciente com demência pode ajudar na prática do dia a dia com o idoso.

Que sintomas são esses? Eles são muito variados, podendo ser:  andar sem propósito, usar roupas inapropriadas ou nudez,  cuspir (inclusive nas refeições), xingar ou agredir  verbal ou fisicamente, solicitar constante ajuda ou atenção, repetir frases ou perguntas, bater (inclusive em si mesmo), chutar, agarrar as pessoas, empurrar, Jogar coisas, fazer barulhos estranhos (riso estranho ou choro), gritar, morder, dar unhadas, tentar sair de onde está,  cair de forma intencional, reclamar, negativismo, comer/beber substâncias inapropriadas, ferir a si ou a outros (cigarro, agua quente, etc), manusear coisas de modo inapropriado, esconder coisas, armazenar coisas, quebrar coisas ou destruir objetos, investidas sexuais verbais e/ou físicas, inquietude geral.

É importante atentar para o fato de que esses sintomas podem ser manifestações de uma Síndrome Demencial.

Estudos mostram que medidas não farmacológicas muitas vezes são suficientes ou potencializam os benefícios das medicações usadas. Muitas alternativas se descobrem ao lidar no dia a dia com o idoso.

Orientações gerais:

  • Atividade física programada.
  • Exposição à luz pela manhã.
  • Reabilitação neuropsicológica: terapia ocupacional, musicoterapia, arte-terapia, treinamento de habilidades, aromaterapia (óleo corporal / loção), animal de estimação, massagem.
  • Tentar antecipar necessidades não compreendidas como desejo de urinar, de defecar, fome, calor, frio.
  • Evitar mudanças repentinas.
  • Estruturar rotina do banho; de idas ao banheiro, horário de alimentação. A rotina deve ser a mais estável possível; se necessário realizar mudanças, fazer de forma lenta e gradual.
  • Adaptação do ambiente: modificar pouco, mantê-lo constante; torna-lo calmo, não estressante.
  • Melhorar a acessibilidade; manter iluminação constante e suave; usar cores relaxantes, músicas suaves; favorecer a autonomia p/movimentar-se, usar barreiras visuais p/evitar fugas; evitar: excesso de movimentação de pessoas no ambiente, ruído intenso, espelhos que possam confundir a paciente; durante o banho tentar músicas suaves com sons da natureza. O ambiente deve ser silencioso e sem eventos que distraiam a atenção. É interessante não haver conversas paralelas no ambiente.
  • Síndrome do pôr do sol = agitação que surge no final do dia.  Fatores desencadeantes possíveis: distúrbios do sono, pouca iluminação.
  • Tentar avaliar se agitação pode ser precipitada por dor.
  • Realizar higienização oral.

– Como devo me comunicar com alguém que sofre com Demência?

  •  Sempre rever o modo como se fala.
  •  Falar com brandura, calma, cordialidade (não falar agressivamente, grosseiramente ou às pressas);
  •   Posicione-se em seu discurso a favor do paciente (evitar ficar contra o paciente);
  •   Sempre procurar dar esperança.
  •   Ao falar, esteja sentado ou defronte ao paciente, olhar nos olhos dele e recebendo seu olhar; falar de forma mais lenta do que o habitual, pronunciando adequadamente cada palavra.
  •    As frases devem ser simples e curtas e cada frase deve conter apenas 1 informação.

É essencial saber que apesar de ser complexo o cuidar de uma pessoa com demência, sempre há algo a fazer para tentarmos melhorar a qualidade de vida do paciente e de sua família. Conte com o apoio da equipe multidisciplinar (médico, fisioterapeuta,  terapeuta ocupacional, enfermeiro,  fonoaudiólogo)

Função sexual e envelhecimento normal

Ao contrário do que muita gente pensa, disfunção sexual não faz parte do envelhecimento normal. A manutenção da prática sexual depende de vários fatores como: nível de saúde física e mental, medicações em uso, grau de interesse prévio, doenças crônicas não controladas com diabetes, pressão alta e colesterol alto; abuso de álcool, etc.

Sintomas psicológicos, como depressão, ansiedade, irritabilidade, distúrbios do sono podem estar diretamente relacionados com dificuldades na relação sexual.

Estudos mostram que idosos tendem a apresentar alterações da atividade sexual, mas mantém interesse e capacidade de ter prazer.

Vida sexual ativa no idoso: pelo menos 1 relação sexual por mês.

ALTERAÇÕES SEXUAIS NORMAIS DO ENVELHECIMENTO

A principal alteração está associada ao maior tempo necessário para a excitação sexual (ereção em homens e lubrificação vaginal em mulher) e para que ocorra o orgasmo.

NO HOMEM

NA MULHER

Retardo da ereção / flacidez peniana aumentada Estreitamento, atrofia e a secura vaginais
Orgasmo de menor duração Redução da acidez vaginal aumentando o risco de infecções vaginais
Força e o volume da ejaculação diminuídos Diminuição da sensibilidade do mamilo, clitóris e vulva

 “Quem compreende melhor, se adapta melhor”

“ O impacto das mudanças é muito variável”

VALE A PENA REFLETIR!

  • Com o envelhecimento vem também maturidade emocional, maior privacidade, mais tempo livre, já pensou que isso pode repercutir em melhora da qualidade da intimidade com seu parceiro?-Lembrar sempre da prevenção de doenças sexualmente transmissíveis – até 10% dos novos casos de HIV são constatados em idosos.
  • Você sabia que o que faz bem ao coração faz também para sexualidade? Nunca é tarde para controlar a pressão arterial, o diabetes e o colesterol; parar de fumar; manter prática de atividade física regular e dieta balanceada!!!

PRESENTE

Baixe nossa Cartilha


Saber Viver É a Perfeita Arte

O IGGPE preparou uma cartilha especial para você, Idoso ou Cuidador de idosos, com o objetivo de oferecer maiores informações sobre os cuidados com o idoso.


Baixe a Cartilha

Facebook

IGGPE

IGGPE 2018 | Produzido por Sua Presença . Digital.